Da Planta À Obra: Quando os Detalhes Fazem a Diferença



Nos trabalhos da arquiteta de interiores Cátia Comini há só um objetivo: levar felicidade e harmonia às famílias cujas casas decora. E é por isso que a primeira etapa em todos os seus projetos é, antes de iniciar qualquer missão, conhecer a fundo as pessoas para quem vai trabalhar.


Nascida numa família ligada à construção, Cátia Comini cultivou desde cedo o gosto pela arquitetura de interiores, mas não foi neste setor que iniciou a sua carreira. Aos 20 anos, deixou a ilha da Madeira rumo a Inglaterra. No curriculum, levava um bacharelato em controlo de qualidade de serviços e alimentação. Nunca se sentiu realizada.


Já em Londres, decidiu ingressar num curso de design de interiores, concluindo depois uma licenciatura e mais tarde um mestrado em arquitetura de interiores, conciliando sempre os estudos com o trabalho.


Nos primeiros anos, recorda, aprimorou a base da técnica. Abriu posteriormente um estúdio de design e rapidamente conquistou uma carteira de clientes em Londres. Em agosto de 2020, resultado da pandemia, decidiu regressar à Madeira com o marido e a filha de quatro anos.


“Quando regressei à Madeira não tinha a expetativa de fazer trabalhos na ilha. Até abril, continuei a trabalhar para os meus clientes em Londres. Já trabalhava em casa e foi fácil manter a minha carteira de clientes”, conta.


Com o primeiro mês do ano, chegou também o primeiro trabalho na Região. Ao contrário de Londres, Cátia Comini não precisou de investir em publicidade, os projetos continuaram a aparecer, até que em abril decidiu trabalhar exclusivamente para clientes na ilha.


Aos 36 anos, a arquiteta de interiores acaba de se tornar sócia da marca regional Madam Sissi, presente no La Vie, que vai inaugurar brevemente a sua segunda loja no Savoy. O que começou por ser uma prestação de serviços é agora uma sociedade e a intenção, assegura Cátia Comini, é expandir para Lisboa.