Últimos Artigos:

Improvável | 1ª Edição
WhatsApp Image 2020-12-07 at 16.20.12.jp
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

JM E Improvável partilham vendas com Acreditar


Foto de Joana Sousa

No dia que antecedeu o lançamento da segunda edição da revista Improvável, as vendas da primeira edição foram partilhadas com a associação Acreditar, um donativo entregue pelas mãos da ‘publisher’ Sofia Nunes e do diretor do JM, Agostinho Silva.


“É um apoio muito importante para a Acreditar, principalmente nesta altura de pandemia”, realçou Alcinda Gonçalves, responsável pelo núcleo da associação na Madeira, que se dedica a ajudar famílias de crianças com cancro. O donativo, explicou, servirá para continuar o apoio social da Acreditar, para ajudar na aquisição de máscaras e outros apoios para as famílias.


Já Sofia Nunes explicou que a escolha recaiu sobre a Acreditar devido ao trabalho que tem sido desenvolvido com famílias e crianças com doenças oncológicas, uma ajuda que, no ano passado, antes da pandemia, já tinha chegado a mais de 10 mil famílias.


"Vivemos uma atualidade bastante complicada. O mundo está a passar por imensas dificuldades e inúmeros problemas, e de igual forma, as instituições e causas que lutam constantemente para ajudar pessoas também não estão em bons lençóis nesta fase, até porque todas as ajudas que antes já eram poucas agora são menos ainda”, frisou a ‘publisher’ da revista Improvável. “Eu sou mãe de três crianças e tenho sempre em mente o seguinte: hoje sou eu que posso ajudar, amanhã poderei ser eu a ser ajudada. Não sei como será o dia de amanhã.”


Sofia Nunes vincou que, mesmo que nem todos tenham disponibilidade para ajudar com muito, “fazer um bocadinho de diferença na vida da outra pessoa que está a precisar, torna o mundo um bocadinho melhor”, apelando por isso à solidariedade.


IRS Solidário


Direcionando um apelo a todos aqueles que pretendem ajudar, Alcinda Gonçalves lembrou que uma das formas mais simples é através da consignação do IRS, atribuindo a uma entidade 0,5% do IRS liquidado (imposto que cabe ao Estado depois de descontadas as deduções à coleta). “Não custa nada para as pessoas, mas é um grande contributo para a Acreditar”, salientou.


Artigo escrito pelo JM Madeira

https://www.jm-madeira.pt/

Facebook: https://www.facebook.com/jmmadeiraRAM

Instagram: https://www.instagram.com/jm_madeira/

Twitter: https://twitter.com/jmmadeiraRAM